[RESENHA] Branca de Neve #19

Hey hey pessoal!

Como estão meus queridos leitores? Passaram bem o ano novo? Espero que tenham passado e que as metas para 2018 já estejam alinhadas para um ano novo incrível! Tenho tantas coisas para contar, mas que tal anunciar que o blog conta agora com dois colaboradores?

[RESENHA] A Batalha dos Mortos

Titulo: A Batalha dos Mortos


Autor: Rodrigo de Oliveira

★★★★★

Gênero: Ficção

Editora: Faro Editorial

Paginas: 312

I.S.B.N: 978-85-62409-22-6






Sinopse:

 “Ano 2018. À passagem de um planeta próximo da órbita da terra, o que era para ser um dia de festa...
 Pessoas do mundo inteiro preparando-se para um espetáculo astronômico mas o evento se transforma num pesadelo. Um dia após a maior aproximação do planeta, um imenso calor sobrevém e 2/3 de todas as pessoas do mundo transformam-se em zumbis.
 Em São José dos Campos, um grupo cria um centro de refugiados para milhares de pessoas não infectadas. Eles reuniram condições de sobrevivência com água, alimentos e criaram uma grande fortaleza. Agora dedicam-se a encontrar outros focos de resistência e ajudar peregrinos do grande apocalipse. Eles não sabem, mas essa pode ser a maior comunidade de vivos na face da Terra.
 No entanto, próximo a eles, uma outra resistência - perversa e potente – também cresce. Um grande Comando do Exército é tomado por criminosos do presidio de segurança máxima de Taubaté. Eles resistiram aos zumbis, escravizaram outros humanos e, fortemente armados, transformaram-se numa ameaça letal à comunidade vizinha.
 Uma batalha está para acontecer. Um cerco para salvar vidas. E em meio a isso, inúmeras histórias de pessoas vivendo em situações-limite, muito além da sua imaginação.

 A série mais original sobre zumbis desde The Walking Dead!”

O Autor: (Informação contida no livro)

É gestor de TI e fã de ficção cientifica, dos clássicos de terror, em especial da obra de George Romero. A ideia para esta serie surgiu após um pesadelo tão real que, ao acordar, começou a escrever freneticamente, até concluir seu primeiro livro. Casado e com dois filhos, nasceu em São Paulo, e vive entre a capital e o Vale do Paraíba. 


O Livro e As Crônicas dos Mortos:


 A Batalha dos Mortos, que na verdade é o segundo livro das Crônicas dos Mortos, que até é agora, é composta por 4 livros lançados, sendo o primeiro “O Vale dos Mortos” seguido por “A Batalha dos Mortos”, “A Senhora dos Mortos, “A Ilha dos Mortos” e recentemente anunciado o quinto volume, que está em pré-venda e com previsão de lançamento para 23/02, “A Era dos Mortos- Parte I”, sem se esquecer é claro de uma spin off, "Elevador 16". (Logo logo vou trazer as resenhas de todos :P )

Resenha:

Como eu já havia dito, na resenha anterior, em muitos momentos, o tema zumbi em sua grande maioria dos lançamentos, é inflado de clichês bobos e repetitivos, mas como isso não foi o caso do anterior, também não foi o caso desse livro, que como vejo, o autor, conseguiu pegar mais uma vez um tema que estava repetitivo e chato, e criar uma narrativa própria.

 A história, continua em torno do casal Ivan e Estela, que conseguiram em meio ao caos criar uma centelha de esperança, com uma comunidade em São José dos Campos, onde com a liderança de Ivan, a comunidade prospera e consegue sobreviver aos perigos do novo mundo, da melhor forma possível, mas... a maior questão do livro, acontece em Taubaté nessa edição, para dar cabo ao modo que terminou o volume anterior, onde um grupo de prisioneiros que conseguiram sobreviver até o momento, tomam posse de um Grande Comando do Exército, onde começam a agir de forma fria e cruel, mostrando que mesmo em meio ao caos ainda se tem espaço para crueldades, se tornam “senhores” neste local, onde escravizam outros sobreviventes e continuam a manter aspectos de crueldades que os fizeram no passado serem enviados aos presídios de segurança máxima no passado (um pouco menos caótico).

 Tudo muda quando Isabel... consegue chegar ao grupo de Ivan e dizer tudo o que acontece no local, e assim se molda a história... afinal, já falei muito e posso soltar uns spoilers indesejados hehe

 O livro como disse, em nenhum momento se torna repetitivo, mas ao contrário, é muito inovador a própria história, com um desenrolar espetacular, e também tomando uma pegada mais sobrenatural que o anterior, (até uns certos poderes que podem dizer muito ao próximo livro, mas não é o caso de dizer agora, nesta resenha).

 Mas uma coisa me agrada no desenvolver da história, é a forma que muitas coisas no geral não são segredos, sei das dificuldades que vão assolar ao terceiro livro mesmo antes de ler ele, apenas ao terminar esse segundo volume e como se tinha noção de como se poderia tomar o segundo ao terminar o primeiro, mas ai esta algo interessante, a tensão de eu saber, o que está para acontecer, mas o fato de não surgir uma única centelha de ideia de como pode acontecer aflige e me faz ter vontade de começar no mesmo momento a continuação e gosto disso, fazia tempo que uma saga não me fazia ter esta mesma vontade, ainda mais sendo que tem uma mudança tão repentina no foco e em como tudo acontece apenas em 2 livros, (comparação boba, não via isso em TWD que sempre achei muito repetitivo desde o começo, mesmo eu gostando).

 Sendo no geral, a única crítica que encontro sobre o livro não positiva, é o fato de os acontecimentos em certos pontos serem muito rápidos, e isso pode diminuir certos momentos de tensão, não digo na questão de algo acontecer em cima de outra coisa, mas a rapidez que alguns acontecimentos são narrados, momentos que poderiam ser melhor aproveitados... mas que... em nenhum momento diminuem a vontade de continuar lendo, sendo um livro de relativa rapidez para se ler, dividido em 9 capítulos, e uma introdução que já espante, afinal, o livro já começa com plena ação e isso sempre dá vontade de virar a página e ver o que vem a depois.

 No geral, sempre que pegamos para ler, alguma continuação, geralmente, o segundo livro, e suas respectivas continuações, não agradam tanto quanto o inicial (ao menos, é assim para mim), mas isso não aconteceu com este livro, em nenhum momento, sendo esse o segundo volume da saga, e ainda assim, conseguiu superar o seu antecessor (que é muito bom por sua vez, e não digo brincando, meu surpreendeu muito mesmo “O Vale dos Mortos”) e me faz ter vontade de ler a continuação agora mesmo, hehe, e acho que possivelmente vou mesmo ler ela logo, um livro que vale a pena ser lido por amantes de ficção, apocalipse zumbi, e que não queiram clichês bobos, mas uma história realmente interessante que nos prenda do início ao fim.


 E para lembrar, o primeiro volume de "As Crônicas dos Mortos" já foi resenhado no ano passado, caso alguém tenha perdido e se interessou, vou deixar o link: Resenha- O Vale dos Mortos

 E caso tenham curiosidade, uma maior curiosidade, sobre o primeiro livro, no YouTube tem um Book Trailer bem interessante, para instigar, vou deixar o link para quem tiver interesse: Book Trailer Oficial - O Vale dos Mortos


[Resenha] O Código de Hammurabi

Titulo: O Código de Hammurabi


Autor: Hammurabi

Tradução: Leonard William King

★★★★★

Editora: Madras

Paginas: 80





 Olá pessoal, sim, andei sumido né ? Mas voltei, com uma leitura super interessante por si só, cheia de curiosidades e que podem nos ajudar a entender inúmeras coisas até mesmo atuais... Então me acompanhem nesta leitura :)

O Autor:

 Hammurabi, que foi o sexto rei da Babilônia, e responsável por decretar o código, responsável pela criação do primeiro Império Babilônico, tendo esse feito realizado com a unificação da região. 
http://3.bp.blogspot.com/-fGEbEQEuUzw/Tkk0357wWTI/AAAAAAAABGs/9ybq_dX-2xY/s1600/hamurabi7.jpg

O "Livro":

 O código de Hammurabi, como é conhecido atualmente foi escrito, por volta de 1780 a.C. e, como diz o próprio nome, escrito por Hammurabi.
 Mas o que é afinal? É um código, composto por 282 leis, escritos na Babilônia,  e que foi encontrado não faz tanto tempo, apenas em 1901 (não faz tanto tempo perto da idade do código).
https://www.estudopratico.com.br/wp-content/uploads/2014/06/codigo-de-hamurabi.jpg

Resenha:

Então vamos ao que realmente interessa?

 Afinal, o que se tem de importante neste livro, é o simples fato, que é como se diz hoje, a primeira “constituição” conhecida, já feita até hoje, a quase 4000 anos atrás, no Primeiro Império Babilônico. Ai esta sua importância histórica até hoje, ela foi o primeiro conjunto de leis que foi escrito e que conhecemos hoje.

 Sua leitura, para se ler com indiferença, é possível realiza-la com facilidade em pouco tempo, afinal, são apenas 80 páginas no livro, mas não recomendo desta forma, para quem tiver interesse realmente recomendo uma leitura mais séria, e que levara muito mais tempo, sendo composta por 282 leis.

 Mas é sobre as leis? Isso me surpreende, por uma razão, mesmo como já disse antes, foi escrita em pedra a quase 4000 anos, e tem muitas coisas, que são consideradas em certos aspectos bem atuais, mas de certa forma, não se pode negar que olhando na nossa visão atual, são bem brutais, porém, se imaginando no período, se pode imaginar o nível que esse conjunto de leis, ajudou no grande desenvolvimento da Babilônia, garantindo direitos a seu povo.

 Baseado no conhecido "Talião" (presente na Bíblia também) conhecido popularmente pelo “Olho por Olho, Dente por Dente”, sendo composto por diversos aspectos diferentes, desde o código penal, civis, e até mesmo direitos e deveres em relações ao trabalho e em negociações (lembrando que a sociedade era dividida em áreas totalmente diferentes), e como se fala da Babilônia, que ficava entre os rios Tigre e Eufrates, e a vital importância do uso da agua já vemos leis em relação a ela, e seu mal uso, caso chegue a danificar plantações vizinhas, e até mesmo uma curiosidade (ao menos achei super curioso) em certas ocasiões uma pessoa acusada de algo, era jogada no rio, e caso sobrevivesse mostrava inocência dela, (leva a entender que a natação não era algo conhecido pelos babilônicos rsrs).

 No geral, é um conjunto de leis, que nos ajudam a entender muito sobre a civilização babilônica e seus códigos éticos e morais, e percebemos como a religião também influenciava na sociedade e em suas respectivas classes, mesmo que brutais em alguns aspectos em nossos olhos atuais, se deve compreender como essas leis garantiram liberdades e direito em um período de formação e de desenvolvimento da civilização babilônica. 

Onde encontrar ?

 Este livro é facilmente encontrado no Skoob, mas vou deixar o link direto para a pagina dele, para facilitar ainda mais rsrs https://www.skoob.com.br/livro/129305ED143447












Ahhhhhh e uma pequena novidade, para facilitar a vocês quem escreveu a resenha, agora passaremos a usar essa assinatura (ou carimbo) no final de cada resenha, com o nome de que a fez, assim sera mais fácil para saber quem escreveu a resenha :D xD 


[RESENHA] O Colar de Amaia

Hey hey pessoal!


Como estão? Passamos uns dias sem postar nada, fim de ano, sabem a correria né? Dos livros do Gabriel, faltam
dois para serem postados, a ideia é trazer na próxima semana, mas hoje nós viemos trazer a resenha de uma obra
que já foi comentada aqui no blog.


Talvez você não reconheça ao ler O Colar de Amaia, pois quando nós falamos dele aqui, tudo era diferente, desde
a capa, o nome até a sinopse.  Vamos ver o que mudou?


Quando demos as primeiras impressões a capa era assim:
5c50c72c30fa4c269fefd0ee8a64ecd6.png
Hoje ela está assim:


Quando demos as primeiras impressões ele tinha 27 capítulos, curtinho.


Hoje ela tem 28 capítulos cheios de conteúdo, e enormes <3

Não preciso nem comentar das views, né? Então vamos lá...


Os Caçadores: O Colar de Amaia

★★★★★
Autor: Barbara Herdy
Gênero: Fantasia
Disponível no wattpad e Luvbook
Capítulos: 27 até o momento
(Novos capítulos em 2018)
Ano de publicação: 2017
Siga a autora no Wattpad

Sinopse

Acredite no impossível.

Bobbi McAvoy só tinha desejo de partir nas suas férias para Nova Zelândia, mas uma proposta exclusiva e secreta para uma expedição no Egito à leva a reconsiderar sua viagem. A reconhecida arqueóloga une-se a Smith e Sky, os seus assistentes visionários e a equipe de John Barton, um arqueólogo com um passado intricado e um amor mal resolvido com Bobbi. Ele também é um dos principais Caçadores da sua geração, uma lenda entre os arqueólogos, e Barton a torna real com os seus dons, ele assombra aqueles que buscam usufruir malignamente dos artefatos mais poderosos do mundo, escondidos através do tempo.

Ao chegarem a Tânis, uma reviravolta transforma a expedição em uma luta pela sobrevivência. Um ato desconhecido desperta as pragas egípcias e utilizando seus dons memoriais, como também a lógica, coragem e impulsividade de Smith, Barton e Sky, os heróis terão que lutar contra uma ameaça adormecida nas terras de Tânis e apenas eles terão o poder de impedir um mal irremediável de mudar ao história do nosso mundo para sempre.

O que eu achei…

Vou começar com uma citação que me conquistou desde a primeira vez que eu li.


Acho que ela fala o suficiente para sabermos um pouco sobre a querida McAvoy. Se você acha que sabe ser sarcástico,
depois de ler os primeiros capítulos da história, garanto que começará a repensar sobre isso, não tem ninguém tão
sarcástico ou forte como a Bobbi, se tem me apresente, ainda não conheci.

Todos os outros personagens, assim como Bobbi, são bem marcantes e as características de cada um surgem no
desenrolar da história. Mas vamos falar do contexto.

Quando foi que você encontrou uma história de arqueologia? Eu não havia encontrado uma, ainda mais com a escrita de
alguém que teve muito trabalho em pesquisar termos e contextos para que a história não virasse um amontoado de
besteira. Me conquistou.

E o que eu notei na escrita da autora? Amadurecimento. Não sei se já aconteceu com você, mas não é sempre que eu
encontro um autor que amadureceu na escrita em tão pouco tempo. Desde o meu primeiro contato com a escrita da
Barbara (em Fev/2017) até hoje, o que eu me surpreendi foi a forma como ela desenvolveu os seus personagens e
aprendeu a narrar a história de uma forma emocionante.

Todo o mistério, discussão e paixão que havia na história antes, está agora de uma forma muito mais sutil,
conquistadora e firme, é como se a história tivesse ficado em hiatus e passado de nível durante este período.

E o que dizer das situações que acontecem entre os personagens?

Bobbi gosta de Barton, todo mundo sabe, mas ela é uma mulher firme e tenta manter a postura, mas quem não gostaria
de estar num lugar deserto com um deus grego feito o Barton, sério, imagine um cara bonitão, forte e cheio de
características marcantes? - Ok, talvez no deserto não, mas é o que está tendo pra Bobbi no momento e ela terá que
aceitar isso.

E, você acredita nas 10 pragas do Egito? Acredita que uma maldição antiga, ou superstição de um povoado local, poderia
trazer as 10 pragas de volta ao nosso tempo? E além de tudo, atacar os nossos queridos arqueólogos?


Se não, comece a tomar considerações, pois se até o mais cético dos personagens começa a duvidar daquilo que lhe é
certo, imagine você. Se sim, bem você é uma pessoa de sorte, ao contrário de alguns personagens.


Mistério e curiosidade é o que cerca a história, então, se você é como eu não aguenta esperar por um novo capítulo, sugiro
que vá criando teorias e ideias para saber o que acontece no fim. Queria compartilhar muito mais, mas tenho receio de
soltar spoiler e quem me conhece sabe que é a última coisa que eu gosto de ouvir.


Então marcamos encontro quando a obra estiver completa, ok? Até lá...

[RESENHA] Entrelaçados

Hey hey pessoal!


Como anunciado pelo nosso instagram, neste mês de Dezembro nós faremos o “Dezembro digital” onde as
resenhas serão de livros em formato e-book para ajudar vocês na escolha da leitura das férias. Bora lá?


O autor da semana é o Gabriel Sidney, então traremos as resenhas de suas obras, preparados?



Entrelaçados


★★★★★
Autor: Gabriel Sidney
Gênero: Conto
Páginas: 24
Ano de publicação: 2015
Por 3,99 na Amazon
Adicione no skoob




Sinopse


Escuridão. Foi a primeira coisa que quatro pessoas viram no ano. Elas estão amarradas na mesma corda, na escuridão
sem saber como pararam ali e quem fez aquilo com eles. Mas uma amizade inesperada e surpreendente surge...


O que eu achei....


O conto começa nos apresentando dois personagens, Meg e Marcos (que cursa jornalismo <3), desconhecidos um para
o outro, ambos estão amarrados, submersos em escuridão. Um diálogo descontraído, na tentativa de tornar aquele
pesadelo menos desagradável, surge entre os dois até que um ataque de asma por parte de um terceiro indivíduo os
atrapalha.


Solidariedade, é o que move Meg a se machucar para tentar ajudar a moça ao seu lado, Samantha. Mais um diálogo
surgiu entre o pequeno trio, é incrível a sutileza com a qual a relação deles começa a aparecer.


Por fim, o quarto e último elemento acorda, Jonas. falando dos arrependimentos do passado e no desejo de mudar, um
começou a ajudar o outro, ser apoio. Um sentimento de companheirismo e cumplicidade surgia entre eles.


Uma situação inusitada, com pessoas desconhecidas, na escuridão total não poderia dar num momento diferente, os
quatro se tornaram amigos e, no final, todos perceberam que eles já se conheciam.

Quando eu comecei a leitura, imaginei que iria acabar de uma forma diferente, sou acostumada a ler aventuras e livros
com reviravoltas então o meu cenário mental era totalmente diferente do real. Mas ver que o livro não terminou como eu
estava imaginando e me surpreender com isso foi uma coisa boa.

[RESENHA] Natalina

Hey hey pessoal!

Como anunciado pelo nosso instagram, neste mês de Dezembro nós faremos o “Dezembro digital” onde as
resenhas serão de livros em formato e-book para ajudar vocês na escolha da leitura das férias. Bora lá?

O autor da semana é o Gabriel Sidney, então traremos as resenhas de suas obras, preparados?

A Rosa Imperfeita

★★★★
Autor: Gabriel Sidney
Gênero: Drama/ Novela
Páginas: 116
Ano de publicação: 2015
Por 3,99 na Amazon



Sinopse

Lina achava que nunca fosse mais encontrar sua mãe, principalmente depois da dor que ela lhe causou no passado.
Mas será que é possível o espírito natalino unir dois corações perdidos em uma simples noite de Natal?

O que eu achei…

Para tudo há uma primeira vez, né? Bem, essa foi a minha primeira vez lendo uma novela, para quem não sabe,
novela é: “uma narrativa breve, maior do que um conto e menor do que um romance, e que se caracteriza por apresentar
uma espécie de concentração temática em torno de um número restrito de personagens.” - Dicionário online.

Devo confessar que não decepcionei nem um pouco com a narrativa da mesma. A obra narra a história de Natalina, ou
Lina, como gosta que a chamem, que recebeu um convite inesperado de sua avó para passar o natal com ela. Lina
ficou indecisa sobre ir ou não pois havia combinado com o namorado de ir passar o natal com a família dele. Mas Erick
sabia aquilo que a amada gostaria e acabou decidindo que ambos iriam visitar a avó dela.

Não é preciso muito para dizer que a viagem foi bem interessante, né? A avó não comemorava mais o natal após a
morte do marido, Lina não falava mais com a mãe havia anos, pesadelos atormentavam suas noites de sono e a
personalidade de Lina, apesar de tudo, ainda é um pouco infantil.

E é claro, num cenário de briga familiar, sempre tem que ter uma reviravolta onde os que estavam brigados se
encontram, né? Ironicamente no meio da briga a mãe de Lina desmaia, o que dá margem para ela esfriar as ideias
e conversar com sua avó.

O quebra-cabeça estava se encaixando, mas Lina é um personagem muito amargurado e eu senti que isso atrapalhou
um pouco o fluir da leitura.

Lina finalmente tem a oportunidade de ajeitar a situação com sua mãe, será que ela mudará e perdoará todos os
acontecimentos do passado?